BROTHERS IN ARMS AIRSOFT PORTUGAL

BROTHERS IN ARMS

Biblioteca - Library

A biblioteca é o lugar onde pode encontrar documentos relacionados com Airsoft. Nós a actualizaremos aos poucos inserindo documentação que achamos seja pertinente à modalidade. Se tiver algum documento que ache que deveria ser inserido aqui por favor contacte-nos. 

 

Regras do Jogo

Legislaçao

Tacticas de combate de Airsoft na Floresta

US Navy Seal Sniper Guide

US Navy Seal Phisical Fitness Guide

Combat Guerrila Survival Skills - Soviet Combat Tactics in Afganistan, 1996

Combat Survival Guerrila Skills - Handbook of the Chinese Peoples Liberation Army

Regras do Jogo

Regras de Jogo

1- Usar protecção ocular adequada para o efeito o que exige no mínimo uns óculos resistentes a impacto (sem óculos nem podes estar no recinto do jogo).

2- Um jogador é dado como morto se for atingido em qualquer parte do corpo.

3- Um tiro na arma não conta como morte, mas esta fica inoperacional para esse jogo. O jogador terá de se servir da sua arma de reserva ou ir buscar outra a zona segura.

4- Um toque nas costas ou noutro sítio qualquer do corpo por um membro da equipa contrária, é considerado como uma eliminação.

5- Não é permitido disparar sobre um jogador que esteja de costas a menos de 5 metros. Nesta situação o "Eliminador" deve gritar: "Rende-te".

6- A rendição é obrigatória. O Jogador que não se render poderá ser abatido à queima-roupa.

7- Se a rendição não foi possível deve-se apontar da cintura para baixo e disparar tiro a tiro.

8- Apontar à cabeça não é permitido, a não ser que o alvo não mostre mais nenhuma parte do corpo, ficando aí sob sua própria responsabilidade.

9- Um "tiro" de um membro da própria equipa, também conhecido como "fogo amigável", continua a resultar numa eliminação.


Depois de Eliminado

1- Qualquer jogador que seja eliminado tem de o confirmar gritando "MORTO" colocando a sua arma a tiracolo ou guardando-a, e colocando as suas mãos sobre a nuca e devagar, sem interromper o jogo, dirigir-se para a "Safety Zone".

2- Se após ser eliminado o trajecto do jogador até à zona de segurança for comprometer a troca de tiro, deslocação da sua equipa ou outra adversária, o jogador deve permanecer quieto no mesmo local e esperar que seja viável a sua deslocação.

3- Em certos jogos há excepções em que a "morte" não é anunciada em voz alta (normalmente em jogos de "infiltração" ou de "situação de reféns").

4- Nesse caso o jogador eliminado deve dar a conhecer APENAS ao jogador que o eliminou que está fora de jogo. Deve depois, com a arma a tiracolo, sem interferir com o jogo e o mais discretamente possível dirigir-se para a zona de segurança.

5- Não é permitido aos jogadores eliminados darem qualquer espécie de informação excepto de que estão eliminados.


Interrupções

1- Os jogos não serão interrompidos, excepto em caso de emergência (alguém se magoar), entrada de pessoas estranhas ao jogo dentro de campo.

2- Jogadores que por qualquer razão não possam continuar o jogo devem se considerar eliminados e dirigirem-se para a "Safety Zone".

3- Qualquer problema com a arma deve ser resolvido, fora do recinto de jogo, sem interromper o mesmo. A saída de campo em qualquer situação é considerada como uma eliminação. É para isso que existem as armas de backup (normalmente pistolas).

4- A resolução de qualquer questão durante o decorrer da partida deverá ser feita por acordo entre os jogadores envolvidos, ou pela organização.


Segurança

1- Óculos de Segurança são obrigatórios.

2- Qualquer outra protecção, seja ela máscara completa, protecção para os ouvidos, etc.. é opcional mas aconselhada especialmente em jogos urbanos devido ao menor espaço de jogo.

3- Não é permitido disparar sobre alguém que não tenha os óculos ou máscara de protecção, devendo essa pessoa ser imediatamente advertida.


Segurança com a Réplica

Notem que é proibido:

1- Transporte de réplicas de airsoft sem estarem nos respectivos estojos, com baterias e carregadores arrumados em separado.

2- A exibição de réplicas de airsoft na via pública, ninguém é obrigado a saber que não se trata de uma arma real.

3- Apontar uma arma de Airsoft a uma pessoa não pertencente ao jogo (disparar obviamente que está fora de questão).

4-Apontar uma arma de Airsoft a agentes de autoridades. Eles estão treinados para responder ao perigo que representa alguém apontar uma arma.

NOTA: O uso de qualquer Arma de Airsoft em assuntos criminosos equivale a usar uma arma verdadeira com respectivas punições

Legislaçao

Aqui podem ler a legislação:


Lei das Armas



A pedido da Federação Portuguesa de Airsoft - APD, vimos por este meio transcrever na integra o comunicado elaborado pela mesma, como previsto nas regras deste forum:


No passado dia 5 de Junho de 2008, após o Excelentíssimo Senhor Secretário de Estado da Administração Interna, ter respondido a um pedido de audiência da Federação Portuguesa de Airsoft – APD (FPA), esta participou numa reunião com a Chefe de Gabinete do Secretário de Estado da Administração Interna e elementos da Divisão de Armas e Explosivos da Polícia de Segurança Pública (PSP).

Nessa reunião, a FPA e a PSP debateram de forma aberta e franca alguns problemas relacionados com a prática do Airsoft e com a interpretação da Lei 5/2006. De ambas as partes foram apresentadas sugestões no sentido de regulamentar a prática de Airsoft e de forma a garantir a sua continuidade, salvaguardando os interesses da comunidade.

Deste modo:

- à PSP foi dado conhecimento do surgimento de uma nova vertente de Airsoft desportivo, ficando assim mais bem informada sobre as várias disciplinas que compõem o Airsoft;

- pese embora a PSP não reconheça à FPA estatuto de "federação desportiva" assegurou-nos que na sua quase totalidade os praticantes filiados na FPA têm tido um comportamento correcto. Comportamento esse que tem sido fulcral para que a actividade se venha desenvolvendo sem incidentes de maior;

- No entanto, a PSP fez-nos saber que, não obstante uma redacção indeterminável acerca da parte ou área a pintar nas armas de softair, entende que deve ser contemplada uma pintura no mínimo de 50% em partes essenciais da arma, para desta forma esbater qualquer risco de alarme social;

- Por seu turno, a FPA, pese embora entenda o alcance do entendimento da PSP, fez saber que considera que esse requisito, que levaria à completa descaracterização das armas, poderia ser substituído por alternativas que conduzissem a um mais eficaz controlo das armas, nomeadamente através de um registo nacional de armas de softair, sem prejuízo de outras injunções;

- A FPA defende que não é o requisito da pintura que pode afastar o alarme social; com efeito, a pintura tanto pode servir para distinguir uma arma de softair de uma real, como pode servir para confundir as autoridades pintando-se uma real para fazer-se passar por uma de softair.

- a PSP fez saber que, não obstante as competências que a lei lhe confere na prevenção e repressão de actividades ilícitas, o carácter lúdico-desportivo do Airsoft, aliado a uma legislação algo ambígua sobre a modalidade, tem permitido que haja tolerância em eventos onde sejam observadas todas as regras legais;

- A FPA informou, então, a PSP sobre regras e procedimentos consagrados em Regulamento Geral da Prática de Airsoft.

- Perante algumas dúvidas resultantes da interpretação da Lei, a PSP confirmou que é preciso estar federado para possuir e utilizar armas de Airsoft, recusando qualquer interpretação da Lei que indique que esta apenas obriga à federação do praticante para a compra da arma, desta forma convergindo com o entendimento da FPA;

- a PSP fez saber à FPA que existe uma profunda preocupação pelo facto de ainda se verificar que existe um grande número de jogadores não federados e/ou que não respeitam minimamente a questão da pintura das armas (nem sequer o tapa-chamas) e que são este tipo de jogadores que efectivamente colocam em risco a segurança pública;

- a PSP igualmente manifestou preocupação ao nível de importações não autorizadas de armas de Airsoft. Sobre este ponto, convém esclarecer os praticantes, e como tem sido sempre dito pela FPA, que a importação de armas, mesmo dentro da União Europeia, carece de pedido de autorização prévia de importação à PSP, pelo que, a apresentação de uma factura de uma loja espanhola, italiana, francesa, etc. não serve de nada sem a apresentação do pedido (e aceitação) de importação à PSP. As armas importadas sem esse pedido são consideradas, portanto, ilegais, e sujeitas a apreensão.

Do rescaldo desta reunião, retiramos que uma das maiores preocupações da PSP são, justamente, os jogadores que continuam a fazer tábua rasa da Lei, invocando interpretações muito próprias da Lei 5/2006 (os famosos "não há federações" e "só é preciso estar federado para comprar") para justificar o injustificável: o não cumprimento da Lei!

É, pois, sobre estes praticantes ilegais que recai grande parte da responsabilidade da situação actual.

Como foi várias vezes repetido pela FPA, por membros dos órgãos sociais da FPA e por uma grande parte dos praticantes nacionais de Airsoft, o não cumprimento da Lei, fosse por que razão fosse, poderia trazer problemas no futuro, estando neste momento toda a comunidade de jogadores de Airsoft em risco de deixar de poder praticar o Desporto como gosta e como até aqui o tem feito.

A PSP foi bem clara quando disse que não está preocupada com os praticantes da FPA, mas sim com os jogadores que não respeitam a lei, seja por não estarem federados, seja por não terem a pintura como exige a lei, seja por terem as suas armas com valores de energia acima dos que a lei permite.

A PSP deixou também bem claro que conhece os vários sites de Airsoft portugueses (clubes, equipas, blogs e fóruns) e que está atenta a manifestações de desrespeito à Lei (nomeadamente através de fotografias onde se verifica não haver pintura das armas).

Em jeito de conclusão, considera a FPA terem sido retirados desta reunião diversas conclusões positivas.

A FPA não quer deixar de agradecer à Secretaria de Estado da Administração Interna esta oportunidade de melhor dar a conhecer o Airsoft às autoridades administrativas, bem como agradecer à Polícia de Segurança Pública, a franqueza, a abertura e a disponibilidade em expôr as suas preocupações e nos apresentar sugestões para resolução das mesmas.

A FPA apela, portanto, aos seus Clubes associados, praticantes filiados em particular e a todos os praticantes de Airsoft em geral, que cumpram e façam cumprir a Lei 5/2006, bem como os regulamentos federativos, pois só desta forma estarão a contribuir para a continuação da modalidade.

Pel'A Direcção,

Pedro Pastor,
Presidente da Direcção

Fonte:

Tacticas de combate de Airsoft na Floresta

Tácticas de combate de Airsoft na floresta.

Em uma floresta a distancia efectiva de visão não é maior do que 40-50 metros dependendo dos movimentos do inimigo. Se o inimigo prepara uma emboscada é provável que a sua movimentação não seja vista ao todo. Por isso vamos examinar algumas situações.

Avançando em grupos de 10 a 30 pessoas.

1. Divida em grupos de 7-9 pessoas. A distancia entre grupos na floresta mais aberta deve ser entre 30-40 metros na floresta mais cerrada 10-20 metros dependendo da necessidade de manter contacto visual entre grupos.
2. Antes de enviar uma equipa para um lugar que esteja ao dobro da distancia da linha de visão deve se enviar um grupo de scouts para fazer o reconhecimento e detectar emboscadas inimigas. O grupo de scouts deve ser composto por 2-3 elementos movimentando-se em linha mantendo contacto visual entre eles. Preferencialmente deverão manter comunicação via rádio entre eles e o grupo principal.
3. Se os scouts encontrarem o inimigo deverão parar imediatamente, esconder-se e comunicar ao grupo principal o achado. (Isso caso não sejam detectados por espiões inimigos). Os scouts não devem atacar salvo o seu número seja equivalente ao dobro do número de inimigos.
a. Acções possíveis:
Se os scouts não forem detectados e o inimigo estiver em emboscada ou num posto protegido chamar um grupo da coluna principal de 7-9 pessoas divida-o em dois e mova-os até cercarem o inimigo. Feito isso atacar os flancos e a retaguarda do inimigo enquanto os scouts atacam a frente a partir dos seus esconderijos.
4. Se os scouts forem detectados pelo inimigo que se encontra em emboscada imediatamente encontre um local seguro para atirar e agir como na situação anterior.
5. Se os scouts forem ou não encontrados e o inimigo for 6-8 indivíduos imediatamente chame dois grupos da coluna principal pois precisa sempre ter o dobro de efectivos que o inimigo tem.

Uma das melhores e mais simples tácticas de combate na floresta chama-se cauda dupla. O grosso do grupo move-se em duas colunas separadas entre si como no jogo de damas. O lado direito da coluna vigia o lado direito do caminho e o lado esquerdo vigia a sua esquerda. Em caso de combate o movimento começa no final da coluna. O final da coluna espalha-se e avança em direcção ao local de conflito formando um anel em torno do inimigo. Para esse tipo de ataque é preciso o maior número de rádios possíveis.

Avançando em grupos de 4 a 10 pessoas.

É melhor movimentar-se em duas linhas distribuídos como em um jogo de damas. A linha da frente deve movimentar-se procurando posições protegidas (Arvores, arbustos, etc.) após a linha da frente ter assumido as posições protegidas a linha da retaguarda deve movimentar-se rapidamente10 ou 20 metros a frente da linha que assumiu a posição protegida. Ela deve então assumir posições protegidas e esperar que a linha que ficou na retaguarda avance 10-20 metros a sua frente e assuma posição defensiva. Isso faz-se sucessivamente enquanto se avança trocando uma linha por outra.

Se entrar em contacto com o inimigo uma avaliação realística do número do inimigo e necessária para avaliar a possibilidade de ataque ou a necessidade de retirada. A retirada ou ataque faz-se da mesma maneira anteriormente descrita da troca de linhas.

As linhas não devem ficar muito separadas pois se ficarem podem perder inimigos escondidos.

Cada soldado deve ter o seu próprio sector de tiro. O sector de tiro de um individuo não deve ultrapassar os 90º.


Avançando em grupos de 4 pessoas.

Quando avançando e um grupo de 4 pessoas e melhor dividir o grupo em binómios. O movimento pode ser em linha ou lado a lado. O contacto visual com seu parceiro e com ao menos um membro do outro binómio deve ser mantido a todo o momento. Ao mover-se deve fazer paradas de 2 ou 3 minutos para observar e ouvir o ambiente em busca de inimigos. Esse tipo de grupo é menos detectável podendo ser usado para scouting e ataques com retiradas rápidas a um inimigo de maior número. Deve evitar um inimigo emboscado ou o mesmo tipo de grupos do inimigo para não alertar as forças inimigas quanto a sua aproximação.


Tácticas de defesa.

As tácticas de defesa é um tema vasto demais por isso aqui seguem os passos bases e a tácticas mais simples.

Acções necessárias na preparação de posições defensivas.

1. Escolha de uma posição dominante para observação e fogo;
2. Camuflar uma posição para observação e fogo;
3. Disponibilidade de caminhos de fuga;
4. Uma posição conveniente para contra atacar;
5. Distribuição de sectores para observação e fogo;
6. Comunicação eficaz entre as posições e o centro de comando.


Passos necessários na defesa de uma posição.

1. Se encontrar o inimigo comunicar imediatamente sua posição, número ,disposição e direcção em que se movimenta;
2. Postos de defesa mais avançados se estiverem mal camuflados retirar para a linha principal de defesa se estiver bem camuflada esperar o inimigo entrar em contacto com a linha principal e atacar sua retaguarda.
3. A linha principal de defesa deve permitir que o inimigo se aproxime até a distancia de tiro efectiva e só então deverá atirar. O fogo deve ser feito em simultâneo de todas as posições cada uma dentro do seu sector de fogo.
4. Enquanto recarrega sua arma deve avisar os seus parceiros do facto e pedir para cobrirem seu sector enquanto recarrega.
5. O contra ataque deve ser feito em simultâneo ao sinal. As forças de contra ataque devem estar sincronizadas mantendo a defesa a cobrir o ataque.
6. Se a linha de defesa for quebrada em alguma parte deve enviar reforços para essa quebra. Na impossibilidade de enviar reforços deve retirar.
7. Quando cercado deve reunir todas as suas forças e atacar um único ponto tentando efectuar uma fuga.


Coisas que tem de ser levadas em conta.

1. As perdas dos atacantes serão ao menos 50% superiores as perdas dos defensores;
2. Quanto melhor a camuflagem da posição defendida mais o inimigo se aproximara sem a detectar melhorando assim sua efectividade em eliminar o atacante.
3. Quanto mais coerente for o processo de recarregar o armamento menores serão as possibilidades de haver pontos cegos na linha de defesa.
4. A presença de rádios aumenta a capacidade de comunicação durante a batalha.